segunda-feira, 17 de maio de 2010

Tempos difíceis, porém, com esperança...

Um amigo me passou este texto por email. Comenta-se que é um caso verídico e que aconteceu em um voo da TAM:

Uma mulher branca, de aproximadamente 50 anos, chegou ao seu lugar. na classe econômica e viu que estava ao lado de um passageiro negro. Visivelmente perturbada, chamou a comissária de bordo. 'Qual o problema, senhora?', pergunta uma comissária..'Não está vendo?' - respondeu a senhora - 'vocês me colocaram ao lado de um negro. Não posso ficar aqui. Você precisa me dar outra cadeira'. 'Por favor, acalme-se' - disse a aeromoça - 'infelizmente, todos os lugares estão ocupados. Porém, vou ver se ainda temos algum disponível'.
A comissária se afasta e volta alguns minutos depois. 'Senhora, como eu disse, não há nenhum outro lugar livre na classe econômica. Falei com o comandante e ele confirmou que não temos mais nenhum lugar mesmo na classe econômica. Temos apenas um lugar na primeira classe'.  E antes que a mulher fizesse algum comentário, a comissária continua: 'Veja, é incomum que a nossa companhia permita à um passageiro da classe econômica se assentar na primeira classe.
Porém, tendo em vista as circunstâncias, o comandante pensa que seria escandaloso obrigar um passageiro a viajar ao lado de uma pessoa desagradável'. E, dirigindo-se ao senhor negro, a comissária prosseguiu: 'Portanto senhor, caso queira, por favor, pegue a sua bagagem de mão, pois reservamos para o senhor um lugar na primeira classe...' E todos os passageiros próximos, que, estupefatos assistiam à cena, começaram a aplaudir, alguns de pé.

'O que me preocupa não é o grito dos maus.


É o silêncio dos bons...'




Martin Luther King Jr.



Um comentário:

  1. Depois alguém vem na televisão para dizer que preconceito não existe mais.

    O povo aprendeu a ignorar a miséria, a violência, o preconceito, a corrupção e esqueceu-se completamente de lutar.

    Hoje somos uma juventude que não levanta as mãos na sala de aula e uma maturidade que abaixa a cabeça para as injustiças.

    ResponderExcluir