quinta-feira, 20 de maio de 2010

Tem baiano no Festival de Cannes

Cena de "Doido Lelé", filme de Ceci Alves, curta-metragem que
será exibido em Cannes nesta semana

Conheci a cineasta baiana Ceci Alves durante o Festival Cine Cultura Viva, em Brasília. Chegou de fininho, pouco depois dos outros cineastas que já estavam presentes durante os dias do evento. Ao contrário de muitos, que colocavam seus filmes entre os melhores do mundo, falava só quando era perguntada. Fiz questão de ver seu filme. Dizem que a melhor forma de conhecer a essência da alma de um cineasta é assistindo sua obra. Exibido em dia de sessão lotada no Museu Nacional de Brasília,"Doido Lelé" mostrou-se um filme eficiente, humano. Arrancou muitas palmas do público.  Depois de Jeferson De em Berlim com "Bróder" (comentado aqui neste blog) no Festival de Berlim, Ceci desembarcou em Cannes nesta semana para mostrar seu curta. O filme se passa em Salvador, na década de 50. Caetano, pobre e mestiço, sonha em ser cantor de rádio, para deleite da mãe e contrariedade do pai. Ele foge todas as noites de casa para tentar, sem sucesso, a sorte em um programa de calouros. Até que, numa noite, ele aposta tudo numa louca, divertida e definitiva performance. Nada muito diferente se Caetano não fosse apenas um menino. Para mim, aquele menino persistente em realizar seu sonho, o de cantar, representa cada um dos afro-descendentes, que, apesar de tudo e de todos, deixa para trás as barreiras apresentadas pela vida e encara as dificuldades impostas com o talento que lhe é peculiar. Boa sorte Ceci!

Um comentário:

  1. Obrigada, meu qrido! Eu adorei! Vc sempre essa pessoa boa e brilhante! Bjs e que Deus ilumine seus caminhos!

    ResponderExcluir