segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Dia do Samba no Centro de SP

Você Vai se Quiser homenageia o samba com
nomes da velha guarda e sambistas da noite paulistana
O evento será no dia 5, a partir das 14 h, na Praça Roosevelt, e reunirá velhos artistas do samba

Sábado, dia 5 de dezembro, a partir das 14 horas, o Você Vai Se Quiser, na Praça Roosevelt, recebe nomes consagrados do samba de São Paulo como Graça Braga, Carmen Queiroz, Dona Inah, Luisinho SP, além da Velha Guarda da Camisa Verde e Branco e Nenê de Vila Matilde. A apresentação será de Moisés da Rocha.

O projeto/bar Você Vai Se Quiser é da cantora e compositora Graça Braga, que foi criada na roda de samba. Os tios formavam um regional, a mãe cantava e tocava violão e Marinês, sua tia, foi porta-bandeira da Nenê de Vila Matilde, por 30 anos.

Graça integra a Comunidade Samba da Vela, onde se cultua a cultura popular voltada aos autênticos sambas de terreiro, além de formar novos compositores. Participa também do reduto Berço do Samba de São Mateus. Recebeu o certificado de reconhecimento e valorização e difusão do samba, outorgado pela Assembléia Legislativa de São Paulo, que instituiu o dia 2 de dezembro como o Dia Nacional do Samba.

SERVIÇO:
Dia 5 de dezembro – Comemorações do Dia do Samba
Você Vai Se Quiser
R. João Guimarães Rosa, 241
Praça Roosevelt
14 horas

MAIS INFORMAÇÔES:
Oficina de Mídia
(11) 2219-2433
Maurício Santini (11) 9224-8737
Solange Melendez (11) 9232-9712

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Prepare-se: vem aí a 8ª Edição Feira Preta Cultura 2009


A cidade de São Paulo será novamente palco de uma das mais tradicionais festas de celebração da cultura negra brasileira. A 8ª edição da Feira Preta Cultural acontece no dia 13 de dezembro, das 12h às 22h, no Palácio das Convenções do Anhembi.

O evento terá o tema “Heranças Compartilhadas Negros e Índios". Segundo sua idealizadora, Adriana Barbosa, a intenção é proporcionar ao público reflexão sobre duas culturas importantes na construção da sociedade brasil eira.

A programação cultural será marcada pela diversidade. Artistas plásticos, literários, cineastas, religiosos, estilistas, dançarinos, entre outros fazedores de cultura celebrarão a riqueza cultural. O público será convidado a interagir com as artistas por meio de oficinas, bate-papo, desfiles e manifestações culturais. E mais. Na Passarela da Preta, a marca de roupas Balaco traz em sua coleção a visão estética da mistura do negro com o índio.

No Palco Alternativo o espaço estará livre para experiências sonoras e a artistas underground. No Microfone da Preta os visitantes terão o microfone aberto para expressar seus pensamentos.

A Feira conta ainda uma série de palestras e oficinas culturais nas áreas de gestão de negócios, empreendedorismo, política pública, turismo étnico, educação entre outros temas relevantes.

Tudo isso, além dos já tradicionais Espaços Culturais, Mercado da Preta e Degustasom com o Boteco Vila do Samba e das atrações musicais que contará com a Liga do Samba Rock: Clube do Balanço, Opalas e Sandálias juntos no mesmo espetáculo musical. O encontro que recebe cerca de 10 mil pessoas em cada edição, é conhecido por reunir música, dança moda, culinária, literatura, cinema e outros elementos da cultura negra em um só local.

Programação da feira para 2009

Palco da Preta
Mestre de Cerimônia: Max DMN
Ato Ecumênico Inter Religioso
DJ’s e Vj’s A Grande Familia
Espetáculo Musical: Liga do Samba Rock Apresenta: Roda de Samba Rock: Clube do Balanço, Opalas e Sandália de Prata

Intervenção cultural
Encontro de danças populares afro-brasileiras
Umbigada do Tiête, Casa do Boneco de Itacaré (Bahia)
Gege Nago (Bahia)

Palco Alternativo
DJ’s Zezão Eventos (DJ Max e DJ Tadeu)
Intervenções artísticas
Shows de Hip Hop – Rinha dos MC’s com Criolo Doido e DJ Dan Dan
Rael (Pentágono)
Microfone aberto

Literatura
Lançamento Selo Negro – Editora Summus
Citações de Poemas: Quilombhoje e Literatura Periférica (Elizandra Souza, Sacolinha e Michel (Elo da Corrente)

Artes Plásticas
Helder (Cedeca Interlagos) – Artista Plástico pinturas ao vivo e grafite
Guilherme Scabim – Artista Plástico
Achiles Luciano – Artista Plástico – Pintura em Tela e Pintura Digital com projeção
Rodrigo Felipe
Edson Ikê
Jurandyr Silva

Fotografia
Feira Cultural Preta 7 anos
Gueto Brasil – Sidney Salatiel
Moçambique Hoje – Iris Yan

Oficinas
Tecidos Afros – Jaergenton
Tambores – Zé Benedito

Filmes
O Povo Brasileiro – Darcy Ribeiro
Versificando – 13 Produções
De – bata: Odum Produções

Intervenções I tinerantes
Cortejo Cultural e Dança do Orixás – Casa do Boneco – BAHIA
Desfile Cafuso (Negros e Indigenas) – Balaco – RIO DE JANEIRO
Dança Afro – POMBE ORIBA
Percussão: Batukaí
Roda de Capoeira
Feira de Trocas

Intervenções Indígenas
Cantos e Danças

Degustasom
Boteco Vila do Samba – Amigos do João e Convidados

Palestras
CEERT - Experiências do Prêmio Educar Pela Igualdade Racial

Espaço Identidade Brasil
Exposição Marisa Moura (Moda e Acessorios)
Teatro de Mamulengo
Fotos e Videos

Feira Cultural Preta 2009
Data: 13 /12/2009
Horário das 12h as 22h
Local: Palácio das Convenções - Anhembi - São Paulo
Telefones: (11) 3031-2374
Sites: www.feirapreta.com.br / http://feirapreta.ning.com:
E-mail feirapreta@uol.com.br

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Exposição a céu aberto em Salvador revela beleza da mulher negra

A beleza das negras baianas é o tema da exposição fotográfica Bahia Terra da Beleza Negra, do fotógrafo Gajé, que será lançada na quinta-feira (19/11), véspera do Dia da Consciência Negra, às 20h, no Espaço Unibanco, na Praça Castro Alves. A exposição a céu aberto, que acontece no Campo Grande e na Praça Castro Alves, vai até o dia 1º de dezembro e traz 100 banners de 1,20 m, cada um retratando uma mulher em quatro ângulos diferentes.
A exposição foi a forma encontrada pelo fotógrafo Gajé para reverenciar as mulheres negras, “essa beleza tão marcante na nossa cidade e que muitas vezes passa despercebida em nosso cotidiano urbano”. Gajé, que é carioca, mas adotou e foi adotado pela Bahia, faz questão de frisar que a beleza de suas musas é natural, dispensando maquiagens, luz artificial ou qualquer outro artifício de correção permitido pela tecnologia.Com suas lentes ele procurou captar a diversidade da beleza estética das mulheres negras, que sintetiza como guerreiras e valentes, que lutam para romper no dia-a-dia as barreiras do racismo, do preconceito, do machismo e da intolerância que a cercam. Gajé foi buscar suas modelos em diferentes classes sociais, profissões e bairros de Salvador, a cidade com maior população negra fora da África, mas já programa para o próximo ano um olhar também sobre outras regiões do estado.
O fotógrafo entende que a desconstrução do ideal de beleza no Brasil precisa trilhar por outros caminhos e acredita que a fotografia pode contribuir e muito para isso, ajudando a elevar a autoestima dos negros. “Com essas fotos eu quero que as pessoas se identifiquem nas ruas e se vejam belas, percebam que não existe só um estereótipo de beleza. E a exposição a céu aberto facilita essa identidade porque democratiza, não fica restrita a quem tem a cultura de visitar galerias ou outros espaços culturais”, explica Gajé.Organizada pela União de Negros pela Igualdade (Unegro), a exposição Bahia Terra da Beleza Negra tem o compromisso de transformar conceitos, levantando questionamentos sobre a condição da mulher negra, como um dos elementos de formação da identidade soteropolitana.

Porto Alegre e Bahia não confirmam feriado na próxima sexta-feira

Pelo menos 754 cidades do país decretaram feriado na próxima sexta-feira, dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra. O levantamento é da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) ligada à Presidência da República.

A lista divulgada pela Seppir incluía as cidades de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e Salvador, na Bahia, mas as prefeituras dos dois municípios simplesmente informaram que em ambas não será feriado na sexta. O feriado é decretado com base em leis municipais e estaduais e por isso não acontece em todas as cidades brasileiras.
Comentário do blog: mera ilusão da prefeitura de Salvador não confirmar o feriado. Isso não vai impedir que o local onde há a maior concentração de negros do país se manifeste e vá às ruas.

Consciência Negra em Piracicaba, interior de SP

(Fonte: Gazeta de Piracicaba)
O Dia da Consciência Negra, comemorado nesta sexta-feira (20), feriado municipal, terá apresentações culturais, debates, exposições, rodas de conversa e palestras para estimular a reflexão sobre a situação do negro na sociedade brasileira. As atividades começam às 8 horas com missa Afro na Igreja de São Benedito; às 9 horas, sessão solene na Câmara de Vereadores em homenagem à raça negra; e às 10 horas, no Sesc, apresentação de grupos e canto com repertório étnico (Coral Afro Tulany, Sanguluka, Capoeira na Periferia, com grupo de flauta doce).
A programação prossegue à tarde. Às 13h30, no Engenho Central, mostra artístico cultural (cururu, hip hop, dança de rua, dança afro, percussão, capoeira, batuque de umbigada, samba lenço, roda de samba com participações especiais). O encerramento acontece às 21 horas, no Largo dos Pescadores, com a Noite da Seresta - com a temática Dia da Consciência Negra.No dia 21, a partir das 14 horas, no Sesc, será abordado o tema "Território: Cidadania e Cultura", com participação especial de Toniquinho Batuqueiro. Dia 22, às 14 horas, no Sesc, em pauta "São Paulo em Retalhos", com Junior do Peruche e participação especial de Mauricinho da Mazei.
Também no dia 22, às 17 horas, na Estação da Paulista, "Folclore Hoje". Dia 29, às 16 horas, no Largo dos Pescadores, acontece o aniversário do Porto Maracatu.A programação é organizada pelo Centro de Documentação, Cultura e Política Negra e tem o apoio da Secretaria de Ação Cultural, Câmara de Vereadores, Assessoria de Gêneros e Etnias, SESC e Pastoral Afro.Jurandir Silvestre, presidente do Centro, conta que durante o mês de novembro acontecerão atividades voltadas à população em geral."Queremos integrar a comunidade, conscientizá-la e sensibilizá-la para o assunto. Unir forças para um mundo mais justo e humano".Rosângela Camolese, secretária da Ação Cultural, disse que as comemorações visam a unir os esforços daqueles que desenvolvem atividades em prol da comunidade negra."Fortalecem as ações de quem luta o ano todo pela consciência negra, assim como as atividades em prol das mulheres e dos idosos".

Consciência Negra em Curitiba

Para quem vai ou está em Curitiba, segue uma dica para a semana da Consciência Negra:
Semana da Cultura Negra no Guairinha com entrada franca

O espetáculo “Pixaim” abre “A Semana da Cultural Negra”, que acontece de 16 a 22 deste mês no Guairinha. A peça, tem inicio às 20h30 e faz parte do projeto “Mukondo”. São histórias do cotidiano de pessoas comuns, com diferentes crenças e em diferentes situações, porém, todas essas histórias possuem um fator comum: elas trazem para o centro da cena ficcional aqueles que a sociedade quer “invisibilizar”.

Pixaim traz no elenco: Simone Magalhães, Cássia Damasceno, Cássia Gomes, Adriano Carvalhaes e Marcel Szymanski. O projeto de montagem, direção, produção e pesquisa são de Isidoro Diniz.Direção e Dramaturgia: Rafael Camargo. Direção Executiva e Captação de Recursos: Regina Vogue Direção de Arte (figurino, cenário e adereços): Áldice Lopes. Direção Musical e Designer Gráfico (trilha sonora, sonoplastia e execução): Ricardo Verocai.

No dia 20 às 15h, é a vez do Festival do Samba. Batuque da melhor qualidade. No dia 21 às 21h30 o Kundun Balé faz sua apresentação. No dia 22 tem dois espetáculos, o primeiro às 16h com Ka-Naombo apresentando o espetáculo Branca de Neve, que traz ao palco uma crítica às imposições de beleza, ao preconceito, ao racismo notado nas histórias infantis. Procura mostrar como a sociedade ao optar pela valorização de um padrão de beleza destrói a auto-estima de outros grupos étnicos. Autoras: Mirian Venâncio e Vera Paixão. Figurinos: Janyne Duarte. Percussão: Thiago Martins, Ricardo Guindani. Músico: Thiago Martins. Coreógrafos: Vera Paixão, Demerval Silva, Laremi Paixão, Adelina Barcelos, Dirolei Aparecido, Leandro Magalhães. Direção de espetáculo: Mirian Venâncio. Direção geral: Vera Paixão.

A segunda atração será às 17h com uma peça teatral do Grupo Ginga, que encerra o evento. A peça relata a luta, saga e coragem daqueles que enfrentam suas frustrações. Tendo como cenário um quilombo, que nada mais justo representando o abrigo, como base de forças para superações e descobertas do real e imaginário. Direção Geral e coreográfica: Adilto J. de Paulo. Texto: Dayane Paixão.

O Teatro Guairinha fica na XV de Novembro, s/nº, Curitiba – Paraná.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

MuBE - Museu Brasileiro da Esculta - exibe em parceira com a Embaixada da França, um ciclo de filmes com temática na cultura negra

É o Cine Clube MuBE - Ciclo Consciência Negra. A entrada é franca e a programação acontece de 20 e 21 de novembro. O MuBE fica na R. Alemanha, 221 e o telefone para informações é o (11) 2594-2601. Veja a programação:

20/11/2009 - 14:00h

O Pesadelo de Darwin

Darwin's Nightmare (França/Áustria/Bélgica/França, 2004). De Hubert Sauper. Cores. Duração 107’. Classificação etária Livre.

Poderia começar como uma lenda oriunda da África. Nos anos 60, na Tanzânia, um peixe chamado perca do Nilo, um predador voraz que dizima todas as outras espécies, foi introduzido no Lago Victoria. Desta catástrofe ecológica nasceu uma indústria frutuosa, pois a carne branca do enorme peixe é exportada com sucesso para todo o hemisfério norte. Mas, acima do lago, imensos aviões cargueiros da ex-URSS compõem um balé constante, abrindo caminho para um outro comércio, ao que parece, o das armas. Pescadores, políticos, pilotos russos, prostitutas e industriais tornam-se cúmplices ou vítimas de um drama que ultrapassa a imaginação. As margens do maior lago tropical do mundo são hoje o palco em que se desenrola o pior pesadelo da globalização.

16h

Os Mestres Loucos

Les Maîtres Fous (França, 1955). De Jean Rouch. PB. Duração 30’.

Filmado em apenas um dia, o filme revela as práticas rituais de uma seita religiosa. Os praticantes do culto Hauka, trabalhadores nigerienses reunidos em Accra, se reúnem à ocasião de sua grande cerimônia anual. Na ‘concessão’ do grande padre Mountbyéba, após uma confissão pública, começa o rito da possessão. Saliva, tremedeiras, respiração ofegante… são os signos da chegada dos ‘espíritos da força’, personificações emblemáticas da dominação colonial: o cabo da polícia, o governador, o doutor, a mulher do capitão, o general, o condutor da locomotiva, etc… A cerimônia atinge seu ápice com o sacrifício de um cão, o qual será devorado pelos possuídos. No dia seguinte, os iniciados retornam às suas atividades cotidianas.Governador, o doutor, a mulher do capitão, o general, o condutor da locomotiva, etc… A cerimônia atinge seu ápice com o sacrifício de um cão, o qual será devorado pelos possuídos. No dia seguinte, os iniciados retornam às suas atividades cotidianas.

16:40h

Eu, um Negro

Moi, un Noir (França, 1959). De Jean Rouch. Cores. Duração 73’.

Jovens nigerienses deixam sua terra natal para procurar trabalho na Costa do Marfim. Desenraizados em meio à civilização moderna, acabam chegando a Treichville, bairro operário de Abdijam. O herói, que conta sua própria história, se autodenomina Edward G. Robinson, em honra ao ator americano. Da mesma forma, seus amigos escolhem pseudônimos destinados à lhes forjar, simbolicamente, uma personalidade ideal.

18h

Férias em Casa

Vacances au Pays (França/Camarões/França, 2000). De Jean-Marie Teno. Documentário em PB. Duração 75’.

Em 1998, Jean-Marie Teno volta, durante o verão, à terra de sua infância, nos Camarões. De Yaoundé, cidade grande, até Badjoun, aldeia onde passava as férias na infância, a viagem lhe permite fazer inventário irônico da situação do país. Ao sabor dos encontros, o autor denuncia a incompetência da administração e o fascínio pela modernidade importada da Europa, que não se adapta à África e suas tradições. “A escola nos ensinou a desprezar os símbolos de nossa cultura e a palavra de nossos avós” lastima ele. À procura de um novo modelo para a África, sonha com uma modernidade a serviço da maioria, que permita ao país reconciliar-se com sua cultura.

19:30h

Memória Entre Duas Margens

Mémoire Entre Deux Rives (França/Burkina Faso/França, 2002). De Frédéric Savoye, Wolimité Sié Palenfo. Documentário em PB. Duração 90’.

Fréderic Savoye e Wolimité Sié Palenfo revisitam a história da colonização francesa na região Lobi, a sudoeste de Burkina Faso. Nessa região, aldeias e famílias ainda estão marcadas pela lembrança desse período doloroso. Comparada aos arquivos dos administradores coloniais, a tradição oral permite restaurar cerca de um século de história, desde a chegada dos primeiros brancos até os dias de hoje. Através de depoimentos transmitidos de geração em geração, o filme desenvolve uma reflexão crítica a respeito da colonização e suas conseqüências individuais, sociais e religiosas.

21h

África sobre o Sena

Afrique Sur Seine (França/Senegal, 1957). De Mamadou Sarr e Paulin Vieyra. PB. Duração 21’.

A África está na África sobre as margens do Sena ou no Quartier Latin? Interrogações "meio-amargas" de uma geração de artistas e estudantes a procura de sua civilização, sua cultura e seu futuro.
Com Marpessa Dawn, M Bathily, AM Baye, C. Clairval, D. Dane, I. Diop, M. Leprovol, P. Letourneur, L. Malik

21:30h

Poeira Urbana

Poussières de Ville (França/Congo/Senegal, 2001). De Moussa Touré. Documentário em PB. Duração 52’.

O filme começa com uma imagem surpreendente: sete crianças esfarrapadas vão saindo de debaixo dos tabuleiros em um mercado de Brazzaville, onde passaram a noite. Moussa Touré os descobre e passa a registrar suas perambulações pela cidade, atrás de comida e de pequenos biscates. Aproveitando sua aproximação com as crianças, o cineasta resolve reintegrá-los a suas famílias. Mas o caminho de volta está cheio de dificuldades que revelam o estado da sociedade congolesa.


21/11/2009 - 19:30h

A Ilha Vigilante

L'Île Veilleuse (França, 2006). De Euzhan Palcy. PB. Duração 55’.

A vida, a obra e a ação política do poeta. Aime Césaire nos faz descobrir sua Martinica.

20:30h

Encontros Para a Conquista

Au Rendez-vous de la Conquête (França, 2006). De Euzhan Palcy. PB. Duração 57’.

A ética, a teoria e a filosofia da Negritude. Os diferentes encontros do jovem estudante Aimé Césaire em Paris compensadores, intelectuais, seu encontro com a África pela ótica do jovem Senhor.

21:30h

A Dançarina de Ébano

La Danseuse d’Ébène (França, 2002). Filme de Seydou Boro. Cores. Duração 52’.

Seydou Boro, que durante um tempo trabalhou como intérprete com Mathilde Monnier, é também coreógrafo e produtor. Este seu documentário é dedicado a uma das maiores personalidades da dança de origem africana, Irène Tassembédo – nativa, como ele, de Burkina Fasso, onde o filme foi inteiramente rodado. Este “retrato filmado”, que apresenta também Germaine Acogny, contribui para a restauração de todo um segmento da história da dança, investigando os laços e as tensões existentes entre dois continentes e duas culturas.
Irène Tassembédo reside na França há 20 anos. Em 1978, em Burkina Fasso, é selecionada para freqüentar a escola Mudra-África, fundada por Maurice Béjart em Dacar e dirigida por Germaine Acogny. Conhecer Irène Tassembédo conduz à reflexão sobre um tema essencial: a questão do corpo, tanto em termos dos seus valores como do seu imaginário, e a concepção particular que ele assume para os dançarinos africanos confrontados com a aprendizagem da dança contemporânea ocidental. Ilustrando a sua trajetória com um grande número de entrevistas, sessões de trabalho e viagens, o filme evoca uma abordagem que parte de uma autêntica convicção: Irène Tassembédo considera que a dança africana deve situar-se em um mundo em evolução, mas sem virar as costas à sua própria gestualidade nem permanecer estagnada em um esquema tradicional geralmente associado ao folclore. Sua experiência abrange duas gerações de artistas e os seus respectivos questionamentos em relação à criação contemporânea e à miscigenação cultural.


Cidade de Votorantim, interior de São Paulo, comemora pela primeira vez o Dia da Consciência Negra

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul
Este será o primeiro ano em que o dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, será feriado municipal, em Votorantim. Para tanto a Prefeitura Municipal em parceria com a Associação dos Afrodescendentes e Simpatizantes da Região Sudoeste do Estado de São Paulo, tendo a sua 4ª Região Administrativa em Sorocaba, definiu uma programação especial.

Na sexta-feira (20), às 8h30, no plenário da Câmara Municipal, haverá um ato de Cidadania Ativa Etnico Racial. A cerimônia terá presença de autoridades municipais, relatos da história, e entrega de certificados de congratulações alusivo ao tema. Também no dia 20, às 15 horas, haverá, no Aquário Cultura de Votorantim, ao lado da praça de eventos “Lecy de Campos”, o Batizado de Capoeira, uma das culturas de maior popularidade. Já no domingo (22), às 19 horas, haverá uma missa-afro, na paróquia São José Operário, na Barra Funda.

O feriado municipal em comemoração ao dia da Consciência Negra, está de acordo com a emenda à Lei Orgânica do Município de nº 01/09, que altera o art. 233 da referida, e foi aprovada pela Câmara Municipal no mês de agosto deste ano. Com isso pelo primeiro ano, a data será feriado no município.

MIS apresenta mostra audiovisual que aborda o papel do negro na ação cinematográfica

Integrada à Semana da Consciência Negra, o MIS sedia a mostra "O Negro como Autor e Personagem da Ação Cinematográfica", trazendo curtas e longas-metragens que abordam a ação e a representação do negro dentro da historiografia do cinema brasileiro. Com dois programas diários e gratuitos, a programação inclui conversas com cineastas e educadores. Com a curadoria de Marco Meirelles e Max Fagotti, o evento acontece de 19 a 22 de novembro (quinta a domingo). A programação, que se estende por quatro dias, traz duas sessões diárias exibindo filmes ficcionais e documentais realizados nas últimas cinco décadas. De quinta a sábado, artistas, cineastas e educadores participam de conversas com o público, promovendo a reflexão sobre a atividade audiovisual realizada por negros de diferentes gerações em diversos contextos de produção.
Composta por oito programas, a mostra faz um recorte da historiografia cinematográfica brasileira desde a década de 1960, com aproximação do olhar tanto para obras de cineastas negros quanto para aquelas que apresentam o negro como personagem. Essa alternância de pontos de vista e a abrangência temporal da mostra permitem uma reflexão mais aprofundada de como o negro foi representado e se representou no decorrer das últimas cinco décadas. Integram a programação filmes de grandes nomes da história do cinema nacional, tais como Joelzito Araújo, com o documentário "A Negação do Brasil", Paulo César Saraceni, com "Integração Racial", documentário de 1964; "Natal da Portela", longa-metragem de 1988; e Roberto de Farias, contando a clássica história do "Assalto ao Trem Pagador", longa-metragem de 1962. Da nova geração de diretores, serão exibidos, entre outros, "Carolina" (2003), de Jeferson De, "Preto e Branco" (2004), longa documental do videoartista Carlos Nader e "O Dia em que Dorival encarou a Guarda" (1986) curta-metragem de Jorge Furtado.

Destacam-se, também, dois filmes de Rogério de Moura – "Velhos, viúvos e malvados (2004)" e A Revolta do Videotape (2001) -, que vem para participar do debate aberto ao público no dia 21/11, na sessão das 19h.

SERVIÇO
Mostra de cinema O negro como ator e personagem da ação cinematográfica
de 19 a 21 de novembro, às 16h e às 19h; 22 de novembro, às 17h e às 20h
Auditório MIS (177 lugares). Ingresso gratuito (retirar a partir de 1h antes da exibição). Classificação etária: 14 anos. Estacionamento cobrado: R$ 7. Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado. Museu da Imagem e do Som (MIS)Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo (11) 2117 4777 www.mis-sp.org.br

Programação da mostra O Negro como Autor e Personagem da Ação Cinematográfica

1º dia [ quinta-feira, 19 de novembro ] 16h Programa 1

Hip Hop África Brasil, Apenas um Oceano entre Nós (2007), 38 min, dir: Daniel Fagundes, Diego FF Soares e Montanha (NCA na Rede). Sinopse: O registro do intercâmbio Cultural feito pelo grupo Faso Kombat de Burkina Faso com o grupo Z`Africa Brasil entre outras personalidades do Rap Brasileiro, revela que um oceano não separa a força da cultura Africana.
Respeito é para quem tem (2003), 3 min, dir: Tatiana Lohman. Sinopse: A idéia deste clipe era gravar com Sabotagem na favela do Canão, onde nasceu, e também nos cemitérios onde estão enterrados seus amigos de infância e adolescência. Logo após o início das filmagens, ele foi assassinado. Este videoclipe presta uma homenagem ao rapper paulista.
Sabotage (2003), 29', video dvd, dir: Tiago Barbini, Ivan Vale Ferreira e Pedro Caldas. Sinopse: Falando de dentro da favela do Canão, o rapper Sabotage discute a infância, o ócio, a rua, a desigualdade, o descaso, a solidariedade, o passado e o futuro, como uma antena que capta e emite realidade em todas as direções.

Geraldo Filme (1998), 52 min., direção: Carlos Cortez. Sinopse: Um mergulho no universo do samba e da cultura negra paulista a partir da obra do compositor Geraldo Filme

19h Programa 2 convidados: Coletivo Frente Três de Fevereiro, Coletivo NCA na Rede e Willen Dias

Imagens de uma vida simples (2006), 30 min, 2006, dir: Daniel Fagundes. Sinopse: Um registro da vida e obra de Solano Trindade (poeta negro, poeta do povo), através de relatos de seus amigos e parentes. Como pano de fundo a cidade de Embu das artes, cenário de ebulições artísticas e movimentações culturais que mostram ainda hoje a marca de Solano Trindade

Zumbi somos nós(2006), 52 min, dir: Frente Três de Fevereiro. Sinopse: Manifesto poético sobre o racismo, por meio da ação direta da Frente 3 de Fevereiro, que culmina na intervenção artística durante a Copa da Alemanha.

Além de café petróleo e diamantes (2007), 15 min, dir: Marcelo Trota. Sinopse: Através dos depoimentos de dois artistas angolanos, a recente imigração deste povo e seus motivos são colocados em foco. Ironicamente, povos africanos que outrora foram trazidos a força para a América, agora migram para o Brasil por livre escolha e sentem o impacto do reencontro com a sua africanidade enraizada em nossa cultura.

Enquadro – Episódio 1: Domingas (2008), 6min, dir: Coletivo Casadalapa Sinopse: Personagens anônimos que contam através de sua existência a alma dos bairros desta cidade são o mote para esta HQ Urbana, as redes não virtuais entre personagens reais. Um processo coletivo, que reúne cerca de 30 artistas, entre eles grafiteiros, artistas plásticos, webdesigner, fotógrafos, videomakers, roteiristas, montadores de cinema, produtores musicais, djs, produtores, figurinistas e atores. Todos reunidos para contar, desenhar, esculpir, fotografar, gravar, editar, costurar, interpretar, uma única história.

2º dia [ sexta-feira, 20 de novembro ] 16h Programa 3

A Psicose de Valter (2007), 35mm, 15 min, dir: Eduardo Kishimoto. Sinopse: Valter José Maria Filho dirige vídeos pornôs e faz pós-doutorado em filosofia pela USP. Este filme o insere em situações forjadas, e o deixa transitar livremente por elas, sem dirigi-lo.

Carolina (2003), 15 min, dir: Jeferson De. Sinopse: Brasil, final dos anos 50. Carolina Maria de Jesus escreve seu diário. Dentro de seu barraco, ela denuncia a fome, o preconceito e a miséria. O diário é publicado ("Quarto de Despejo"), e transforma- se em sucesso editorial, sendo editado em 13 línguas. Apesar do reconhecimento, morreu esquecida e pobre. Imagens documentais da escritora são montadas com cenas ficcionais interpretadas por Zezé Mota.

Filhas do Vento (2005), 85' min, dir: Joelzito Araújo. Sinopse: Cida (Ruth de Souza) e a irmã Jú (Léa Garcia) estão separadas por quase 45 anos. O tempo não conseguiu dissipar o rancor provocado pelo incidente amoroso e familiar que marcou a juventude e a vida das duas. Com a morte do pai, Zé das Bicicletas (Milton Gonçalves), que havia expulsado Cida de casa, as duas voltam a se encontrar. Cida tornou-se uma mulher solitária. Fez carreira de atriz atuando em cinema e em telenovela, mas, apesar do talento, não teve o reconhecimento merecido. Maria D'Ajuda nunca saiu do interior, cuidou do pai até a morte, casou-se e teve diversos filhos com companheiros diferentes sem nunca ter conseguido desenvolver nenhuma identidade profissional. Sua família é aquela típica brasileira do interior, cheia de filhos, sobrinhos, netos e agregados. No entanto, uma de suas filhas, Dorinha (Danielle Ornellas), a que mais admira pela persistência profissional e talento artístico, é a única que despreza o amor da mãe.

19h Programa 4 convidado: Noel dos Santos Carvalho

Integração Racial (1964), 40min, dir: Paulo César Saraceni. Sinopse: Uma visão abrangente da situação dos diferentes grupos étnicos existentes no Brasil. Nos depoimentos recolhidos nas ruas e bairros de diversas capitais, negros, brancos, mulatos, portugueses, italianos e japoneses manifestam sua opinião e descrevem experiências pessoais, envolvendo o relacionamento, o racismo, a miscigenação e o intercâmbio cultural
Natal da Portela (1988), 80' min dir: Paulo César Saraceni. Sinopse: Biografia do homem que, mesmo sem saber cantar, dançar ou tocar um instrumento, transformou-se numa das maiores expressões do samba brasileiro, dedicando-se de corpo e alma à sua escola do coração, a Portela.
3º dia [ sábado, 21 de novembro ]16h Programa 5 convidado: Raquel Gerber
Ôri - Cabeça, Consciência Negra, 91 min, dir: Raquel Gerber. Sinopse: Ôrí significa "cabeça", "consciência negra", em língua yorubá. A música, a dança, o gesto, o ritual, na expressão da cultura mais antiga da Humanidade. Ôrí documenta os movimentos negros brasileiros entre 1977 e 1988, passando pela relação entre Brasil e África, tendo o quilombo como idéia central de um contínuo histórico, e apresentando como fio condutor a história pessoal de Beatriz Nascimento, historiadora e militante negra, falecida prematuramente no Rio de Janeiro em 1995. O filme mostra também a comunidade negra em sua relação com o tempo, o espaço e a ancestralidade, através da concepção do projeto de Beatriz, do "quilombo" como correção da nacionalidade brasileira.
19h Programa 6 convidado: Rogério de Moura
A Revolta do Videotape (2001), 10 min, dir: Rogério de Moura. Sinopse: As confusões durante um programa televisivo de futebol e debate.
Velhos, Viúvos e Malvados (2004), 14 min, dir: Rogério de Moura. Sinopse: Três músicos aposentados têm as vidas mudadas com a chegada de uma mulher.
Assalto ao Trem Pagador (1962), 98 min, dir: Roberto Farias. Sinopse: Grilo é um inteligente criminoso da cidade que diz trabalhar para um chefão que chama de "Engenheiro" e, com isso, convence Tião Medonho e outros bandidos da favela a praticarem um roubo a um trem (comboio) de pagamentos. Os bandidos combinam de não gastarem o dinheiro roubado antes de 1 ano, pois isso levantaria suspeitas, mas Grilo acha que ele pode, pois não é favelado e tem boa aparência, o que desperta a ira dos demais. Grilo então diz que o "Engenheiro" preparou um novo golpe, mas sua intenção é se livrar de Tião Medonho e dos outros, fazendo com que eles caiam numa armadilha.
4º dia [ domingo, 22 de novembro ]17h Programa 7
A Negação do Brasil, (2000), 91 min, dir: Joel Zito Araújo. Sinopse: O documentário enfoca os tabus e estereótipos raciais. Uma história das lutas dos atores negros pelo reconhecimento de sua importância na história da telenovela, o produto de maior audiência no horário nobre da TV brasileira.
O Moleque (2004), 13 min., direção: Ari Cândido Fernandes.Sinopse: Tião é pobre e negro, mas tem orgulho de sua mãe, a melhor lavadeira da região. Ele sai para pescar com Pedrinho, seu único amigo. Todos os outros moleques adoram lhe dar apelidos, por causa da cor de sua pele, o que provoca a sua ira e a preparação de sua vingança.
20h Programa 8
O Dia em que Dorival encarou a Guarda (1986), 14 min, dir: Jorge Furtado. Sinopse: Todo homem tem seu limite, e Dorival resolve enfrentar a tudo e a todos para conseguir o que quer. A história da luta desigual de um homem contra um sistema sem lógica e sem humanidade.
Sabotage, um bom lugar, 08 min, dir: Beto Brant e Willem Dias. Sinopse: Videoclipe da música "Um Bom Lugar" de autoria do rapper Sabotage
Preto e Branco (2004), 73 min, dir: Carlos NaderSinopse: Documentário de um dos mais importantes videoartistas do Brasil, em que episódicas relações raciais entre cidadãos comuns da cidade de São Paulo levantam questões pouco discutidas sobre o modelo racial brasileiro.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Mais Pílula de Cultura na semana da Consciência Negra

Outros dois eventos imperdíveis na programação do Pílula de Cultura Feira Preta desta semana:
Na Fnac Pinheiros haverá intervenção de literatura, leitura de Poemas do Selo Quilombhoje e exibição do documentário Abadias Nascimento Memória Negra. Também integram o evento uma roda de conversa, tendo como tema o estatuto da igualdade racial. Para encerrar, um pocket show com o Grupo Sandália de Prata, lançando o CD SAMBA PESADO, apresentando uma pitada do samba rock paulista.




Dia: 17 de Novembro/2009 - Horário: das 19:00 às 21:00Local: Fnac Pinheiros: Av. Pedroso de Moraes, esquina coma Praça Omaguas

Senegalês Zal Idrissa Sissokho faz apresentação única no CCSP


(Matéria extraído do site Catraca Livre)

O Centro Cultural São Paulo recebe no próximo dia 17 de novembro uma edição especial do projeto Pílulas de Cultura Feira Preta. Com uma proposta colaborativa, a Pílula de Cultura Feira Preta realiza uma edição dedicada ao mês de Zumbi dos Palmares. Com o tema “Viva Zumbi, Zumbi Vive”, a miscelânea de diferentes vertentes artísticas proporciona o intercâmbio e a reflexão sobre a cultura negra hoje.

A atração no Centro Cultural São Paulo fica por conta da apresentação especial de Zal Isidra Sissokho (músico senegalês), com intervenções artísticas, show de abertura, Jam Session de Percussão: Zé Benedito e convidados, Intervenção de Artes Plásticas com Guilherme Scabim, Discotecagem DJ MF e Performances de Dança com Vanessa Soares.
O encerramento do evento acontece com a apresentação internacional do africano, que faz parte da linhagem dos Sissokho, homens que desde o inicio dos tempos transmitem a história do povo Mandinga de geração a geração. Zal toca Kora, denominado harpa africana com 21 cordas. Aprendeu a tocar esse instrumento junto com seu pai, que, também o aprendeu com seu pai. A Kora é um instrumento milenar que se aprende de pai para filho desde sempre. Zal nasceu no Senegal e mora em Quebec desde 1999, trabalhou com muitos artistas tais como, Takadja, Les Frères Diouf, Richard Séguin, Lilison, IKS, Hart Rouge, Musa Dieng Kala, Muna Mingolé e Alpha Yaya Diallo. Em Dezembro 2005 e Agosto 2007, trabalhou em Las Vegas para o espetáculo “O” do Circo do Soleil.

Zal Voz e Kora no Centro Cultural São Paulo - Pilulas de Cultura Feira Preta
Terça 17/11 às 21:00 - Entrada Franca
Rua Vergueiro, 1.000 - Paraíso - Zona Sul. Telefone: (11) 3397-4002

Consciência Negra sempre


Estamos na Semana da Consciência Negra e sexta-feira próxima é feriado. Para pontuar este assunto, voltemos a 2004. No centro de São Paulo, a Praça da República estava lotada de gente comemorando a aprovação do 20 de novembro como data comemorativa da consciência negra. No palco, Rappin Hood entrou e foi ovacionado e cercado pelos manos e pelas minas. No final da primeira música, ele para em frente ao palco. Em tom de conversa e de discurso, fala sobre a importância desse dia. “Muita gente tá comemorando porque vai ter mais um feriado. Isso está errado. Se pensam que este feriado é para ficar em casa, assistindo TV e comendo pipoca, estão enganados. Este feriado é para sair às ruas e fazer o que estamos fazendo aqui e agora!”. O público vibrou e entendeu o recado. A partir deste exemplo, muita gente ali compreendeu que o feriado do Dia da Consciência Negra não se trata de apenas mais um feriado. Mas o dia de dizermos para a sociedade (e para nós mesmos), que ser negro não é só pele, mas um estado de espírito, de luta, de consciência, de perspectiva, mudança, crescimento e outros tantos valores importantes. É o dia de refletir sobre lutar pelos direitos, contra a discriminação, educação e oportunidades de trabalho e por uma sociedade mais justa.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Cia. Corpos Nômades dialoga com as culturas do hip-hop e do carnaval



A dança contemporânea dialogando com as culturas do Carnaval e do Hip-Hop

Projeto pensado e gestado desde 2001, Édipus Rex-A Máquina Desejante, o novo espetáculo da Cia. Corpos Nômades, estreia dia 13 de novembro de 2009, na sede da companhia (O Lugar – Rua Augusta, 325, Centro, São Paulo), sob a direção de João Luís Minelli Andreazzi, que completa em 2009, como coreógrafo, 20 anos de carreira.

Édipus Rex mescla dança contemporânea, teatro, vídeoarte e funde os elementos do Hip-Hop, (com o rapper Terra Preta), do grafite(com o grafiteiro Tota), da música (com o DJ Dan-Dan) e do Carnaval (com o Mestre Sala Gabi, da Escola de Samba Camisa Verde e Branco).
A história de Édipo, filho de Laio e Jocasta, pai de Etéocles, Ismênia, Antígone e de Polinices, é famosa devido ao fato do protagonista matar o pai e casar-se com a própria mãe. Por isso, é considerada a tragédia das tragédias, colocando em foco questões como o parricídio e o incesto, mas também é motor de pensamento e pesquisa de questões como oposições e interações entre o público e o privado, a norma e a transgressão, o destino e a invenção.

Esse novo espetáculo da companhia abarca temas humanos e existenciais: destino, paixão, equívocos, alienação, punição e loucura. Durante a temporada, a sede da companhia receberá uma exposição fotográfica com 12 imagens clicadas pelo fotógrafo Henk Nieman, que acompanha desde 1999 o processo de pesquisa sobre o corpo nômade, com João Andreazzi.

O diretor da Corpos Nômades, João Luís Minelli Andreazzi durante sua carreira como coreógrafo, criou mais de um espetáculo por ano, entre eles Película da Retina, As Últimas Tentações de Santo Antão, Password:003, Under One´s Very Eyes e Shoot in the Hood . Serão oferecidos, também, workshops específicos relacionados às manifestações culturais exploradas no desenvolvimento da peça.

Para essa montagem a Cia. Corpos Nômades conta com o "Programa de Incentivo a Dança Paulista - 2008", da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, por meio da SABESP, e com apoio da 6ª edição do Fomento à Dança da Cidade de São Paulo.
A inspiração de Édipus Rex

A inspiração escolhida para a construção poética desse espetáculo é a temática de Sófocles e seus conflitos em Édipo Rei, que se transformou em ícone moderno e pós-moderno por criar personagens que ilustraram a psicanálise, a filosofia e os mais secretos desejos humanos. O relato dessa tragédia, advinda de uma lenda grega, foi fundamental para a concepção do espetáculo, pois permitiu ampliar o leque de imagens e movimentos.

Para esse projeto, o grupo continuará o desenvolvimento investigativo cênico que Andreazzi nomeia de coreodramaturgrafia, em que a dança funde-se com a dramaturgia originando o sentido cênico para o corpo contemporâneo, numa fusão do movimento corporal e vocal expondo um corpo falante que orquestra a cena.


Oficinas e workshops Gratuitos:

Festa de abertura de temporada- Batalha de MCs e Dança de Rua, com MCs convidados e o DJ Dan Dan, dia 14 de novembro, sábado às 22h30, após o espetáculo ÉDIPUS REX, na sede da Cia. Corpos Nômades. Aberto ao público em geral e aos espectadores da noite de apresentação.

Oficina de Graffiti com TOTA, de 24 a 26 de novembro das 14h00 às 17h00, na sede da Cia. Corpos Nômades. Público Alvo: grafiteiros e pessoas interessadas acima de 16 anos. Número de vagas: 10.

Eventos com a Cultura do Carnaval

Oficina de Mestre Sala com o Gabi para a Cia. Corpos Nômades, aberto para o público interessado, 20 vagas, pessoas acima de 16 anos - dias 14 e 16 de outubro das 20h00 às 22h00, na sede da Cia. Corpos Nômades.

Oficina de Alegoria Carnavalesca com Nicea Corrêa – dia 28 de novembro - sábado, das 14h00 às 17h00, na sede da Cia. Corpos Nômades. Público alvo: interessados no assunto acima de 12 anos. Número de vagas: 20.

Oficina de cuíca – com Dalua – dias 13 e 15 de outubro das 19h00 às 22h00, para a Cia. Corpos Nômades e com 5 vagas para público interessado, na sede da Cia. Corpos Nômades.

Eventos com a Cia. Corpos Nômades
Ateliê de composição coreográfica coordenado por João Andreazzi e Cia. Corpos Nomades dia 21 de novembro, sábado das 14h00 às 17h00, na sede da Cia. Corpos Nômades. Público Alvo: bailarinos e atores interessados no tema. Numero de Vagas: 30.
Bate-papo após o espetáculo Édipus REX, com integrantes da Companhia dia 28 de novembro.

Édipus Rex - a Máquina Desejante
13 de novembro a 13 de dezembro de 2009, sextas e sábados,21h, domingos, 20h30

O LUGAR - Cia. Corpos Nômades

Local: Rua Augusta, 325 - São Paulo – Brasil - Tel: 55-11-3237-3224 - Ingresso: R$ 15,00 inteira e R$7,50 a meia entrada/ Recomendação: 14 anoshttp://www.ciacorposnomades.art.br/ / ciacorposnomades@uol.com.br / ciacorposnomades@gmail.com

Dama do samba paulistano lança obra inédita e fortalece redutos de São Paulo

(Texto: Oficina de Mídia)

Você Vai Se Quiser, na Praça Roosevelt, é um lugar bastante concorrido em São Paulo. Não é apenas um bar e sim, um projeto cultural do cancioneiro popular. Lá se apresentam artistas de renome do samba paulistano, músicos que estão há vinte, trinta anos na estrada.
Este é o caso de Graça Braga, compositora e cantora com um vozeirão e que, depois de 30 anos de janela, resolveu lançar um cd antológico, “Eu Sou Brasil”, pela gravadora Por do Som. A artista já dividiu o palco com gente de peso como Beth Carvalho, Dona Ivone Lara, Zélia Duncan, Diogo Nogueira, entre outros.

O cd conta com a produção do Quinteto em Branco e Preto e participação de Jair Rodrigues numa das faixas, Guerra dos Sexos. A música abre-alas do disco é “A Dona do Samba”, de sua autoria com Paquera (do Samba da Vela). “A canção não é arrogante. Eu não sou a dona do samba. Eu fiz uma homenagem às mulheres que tomam conta do samba, que cantam, dançam, e divulgam este patrimônio do Brasil”, afirma Graça.
Com o lançamento desta obra, Graça Braga firma São Paulo como um reduto de samba respeitável e de qualidade. Além do Você Vai Se Quiser, na Praça Roosevelt, altares de samba como o Berço do Samba de São Mateus e o Samba da Vela, na Casa de Cultura de Santo Amaro, foram valorizados e recebem cada vez mais adeptos. “O samba não tem limites geográficos. Não se define o samba com pedaços de terra e sim, com sangue nas veias, tradição”, ressalta Graça.

Dona Graça
Graça Braga foi criada na roda de samba. Os tios formavam um regional, a mãe cantava e tocava violão e Marinês, sua tia, foi porta-bandeira da Nenê de Vila Matilde por 30 anos. Graça integra a Comunidade Samba da Vela, onde se cultua a cultura popular voltada aos autênticos sambas de terreiro, além de formar novos compositores. Participa também do reduto Berço do Samba de São Mateus.

A cantora e compositora se apresenta semanalmente em seu bar “Você Vai Se Quiser”, na Praça Roosevelt, em São Paulo. Recebeu o certificado de reconhecimento e valorização e difusão do samba, outorgado pela Assembléia Legislativa de São Paulo, que instituiu o dia 2 de dezembro como o Dia Nacional do Samba.


SERVIÇO:
CD “EU SOU BRASIL” – GRAÇA BRAGA
Gravadora Pôr do Som – http://www.pordosom.com.br/
Site da artista: http://www.gracabraga.com/
Preço Sugerido: 20,00

MAIS INFORMAÇÕES:
Oficina de Mídia
(11) 2219-2433
Maurício Santini (11) 9224-8737
Solange Melendez (11) 9232-9712

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Pílulas do Conhecimento

Estão abertas as inscrições para o Programa Preta Qualifica - Pílulas do Conhecimento, nos dias 14, 21 e 28 de novembro de 2009, a ser realizado no Instituto Pensarte, em São Paulo. As Pílulas de Cultura Feira Preta, faz parte do projeto "Feira Cultural Preta", cuja proposta é possibilitar o público a descobrir a riqueza cultural que o povo africano deixou de herança para o Brasil através das mais diversas manifestações artísticas culturais.

A Feira Preta hoje é um movimento cultural que promove a cultura popular negra brasileira, de forma contemporânea respeitando a tradição. A realização é da Pretamultimidia, com parceria da Casa das Caldeiras e apoio do Proac - Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo e Governo de São Paulo, AECID, Embaixada da Espanha e Centro Cultural da Espanha e Fundação Palmares.O evento é voltado a gestores, artistas e produtores envolvidos no universo da cultura negra. O certifi cado será entregue mediante a participação nos três dias de evento. Limitado a quantidade de 30 vagas. Para se inscrever favor encaminhar e-mail para feirapreta@uol.com.br com Nome, RG e Telefone.

Programação do Programa Preta Qualifica – Pílulas do Conhecimento

Programação: Pílulas do Conhecimento - Prêmio Idéias Criativas - Fundação Palmares
Dia 14/11: Pílulas do Conhecimento: Instituto Pensarte das 14h às 20h
Alameda Nothmann, 1.029

Workshop - Tema:Palestra Inaugural - Panorama sobre o mercado cultural e suas interfaces com a produção cultural negra de hoje. RONALDO BIANCHI
Roda de Conversa: - Tema:Como influir na política pública cultural da Cidade de São Paulo?
Pílulas de Cultura: Intervenção cultural: Mostra de filme: Cine da PretaZumbi Somos Nós (Frente 3 de Fevereiro)
Exposição Fotográfica mês de novembro Feira Preta: 8 Anos de trajetória

Dia 21/11: Pílulas do Conhecimento: Instituto Pensarte das 14h às 20h
Alameda Nothmann, 1.029
Workshop 1: Como elaborar e formatar um projeto/ proposta cultural e estratégia de captação de recursos/ linhas de financiamento (editais) - CRISTIANE IGLESIAS ARENAS
Workshop 2: Lei do Micro Empreendedor - SEBRAERoda de Conversa: - Tema:Dj´s e Baileiros: Dá para regulamentar uma profissão?
Pílulas de Cultura: Intervenção cultural: Mostra de filmes: Cine da PretaVersificando (13 Produções)
Exposição Fotográfica mês de novembroFeira Preta: 8 Anos de trajetória

Dia 28/11: Pílulas do Conhecimento: Instituto Pensarte das 14h às 20h
Alameda Nothmann, 1.029

Workshop 1: Elaboração de Orçamento e Prestação de Contas - SIRLENE CIAMPIWorkshop 2: - Tema: Organização e realização do projeto/ Avaliação e Relatà ³rio final - MELISSA MENDONÇA MOREIRA
Roda de ConversaTema: Empreendedores da cultura negra - "Para além das Artes" – Existe economia criativa e arranjo produtivo local na produção cultural negra?
Roda de Conversa:Tema: Ações Afirmativas: Cotas e Lei que cria obrigatoriedade sobre o ensino da cultura indígena e afro-brasileira na rede de ensino. Como estamos? Pra onde vamos?
Pílulas de Cultura: Intervenção cultural: Mostra de filmes: Cine da PretaDê-Bata (Odum Produções)e Festa da Boa Morte (Identidade Brasil)
Exposição Fotográfica mês de novembroFeira Preta: 8 Anos de trajetória Feira Cultural Preta
Mais informações com
Adriana Barbosa
55 11 3031-2374 55 11 8336-1012
MSN:feirapretaSkype:feirapreta1

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Exposição "O lado de lá" ilumina conexões entre Brasil e África


(Texto: Matilha Cultural)

Muitas foram as culturas africanas que contribuíram para a formação do povo brasileiro. Hoje, os afro-descendentes representam 50% da nossa população, fazendo com que o Brasil seja a segunda maior nação negra do mundo, estando apenas atrás da Nigéria. O projeto “O lado de lá” joga uma luz sobre o conhecimento no Brasil a respeito da África, através de um ensaio fotográfico, históricos e antropológicos, assim como registros das sonoridades que retratam o cotidiano nos países de origem das populações afro-brasileiras, especialmente em pontos marcantes da África ligadas a nossa história. Foram selecionados sete países para serem visitados, tendo como crivo a intensidade de conexão com o Brasil, via tráfico negreiro.

A Matilha apresenta 20 fotos que integram esse projeto em andamento. A idéia é que o projeto resulte num livro e outras incursões no continente africano estão nos planejamentos.Ricardo Teles: fotógrafo, nascido em Porto Alegre, trabalha em São Paulo desde 1994, nas áreas de documentação e fotojornalismo, com publicações períodicas em diversos jornais e revistas nacionais e estrangeiros.

Serviço: Exposição de fotos “O lado de lá” - imagens de Ricardo Telesde 04/11 até 15/11
na sala multiuso.


ESPAÇO MATILHA CULTURAL
R. Rego Freitas 542 - São Paulo – Brasil (próx. à R. da Consolação)
fone:11 3256.2636

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Mostra de cinema negro traz 11 filmes africanos, europeus e brasileiros


Após o furor cinematrográfico provocado pela Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que neste ano não exibiu nenhum filme africano, a Matilha Cultural e a curadora Lilian Solá Santiago promovem a ESPELHO ATLÂNTICO – MOSTRA DE CINEMA DA ÁFRICA E DA DIÁSPORA, como programação exclusiva para o Mês da Consciência Negra. A seleção de filmes propõe um olhar contemporâneo da diversidade cultural do vasto continente africano e de seus descendentes dispersos pelo mundo. A ESPELHO ATLÂNTICO vêm sendo realizada há dois anos na Caixa Cultural do Rio de Janeiro, acompanhada por um público crescente e fiel.


O cronograma do evento paulistano inclui a exibição de 11 filmes, africanos, europeus e brasileiros sobre a temática, sendo a maioria inédita em São Paulo. A abertura da Mostra acontece na terça-feira, 10 de novembro às 19 horas, no Espaço Matilha Cultural, com coquetel e a primeira exibição em 35mm de “Graffiti”, dirigido por Lilian Solá Santiago. Na noite da abertura, haverá também uma performance CORES DA PERCUSSÃO, com o duo Simone Soul e Marina Uehara.


De 10 a 15 de novembro de 2009 (terça a domingo)

Exibições gratuítas, sempre às 19:00h.

ESPAÇO MATILHA CULTURAL.

Rego Freitas 542 - São Paulo – Brasil (próx. à R. da Consolação)
fone:11 3256.2636


PROGRAMAÇÃO E SINOPSES


Dia 10/11 - terça-feira - abertura com coquetel
Graffiti (ficção / documentário)Lílian Solá Santiago (Brasil, 2008, 10 min.) - São Paulo é a cidade mais grafitada do mundo. "Graffiti" acompanha o rolê solitário de Alê numa das semanas mais sinistras que essa cidade já viveu – dos ataques do PCC, e a violenta revanche da polícia em 2006. O que o move a enfrentar as ruas nessa noite? Ganhador do Prêmio Estímulo ao Curta-Metragem. Com Sidney Santiago e Chico Santo.Sessões: 19:30, 20:00, 21:00 e 21:30 horas.

Dia 11/11 – quarta-feira

O som e o resto (ficção)André Lavaquial (Brasil, 2007, 23min) - Jahir é um virtuoso baterista carioca que toca numa banda evangélica. Ao se indispor com o pastor da igreja, se vê sozinho na rua com seu instrumento e inicia uma jornada existencial rumo à sua música. Participou de importantes festivais internacionais e, em 2008, foi o único curta-metragem brasileiro a conquistar uma vaga do Festival de Cannes, na seção Cinéfondation.


Cariocas (documentário)Ariel de Bigault (França, 1989, 57 min.) - “Cariocas” mostra diversas facetas do samba no Rio de Janeiro. Grande Otelo, nos guia ao encontro dos grandes músicos da cidade. Realizado originalmente para a TV francesa, conta com importantes depoimentos de Martinho da Vila, Paulo Moura, Velha Guarda da Portela, Nelson Sargento, Wilson Moreira, e Joel Rufino dos Santos.


Dia 12/11 – quinta-feira
Balé de pé no chão (documentário)
- Lilian Solá Santiago e Marianna Monteiro (Brasil, 2006, 17 min.)Documentário sobre Mercedes Baptista, principal precursora da dança afro-brasileira. Bailarina de formação erudita, cria seu grupo na década de 50, e estuda os movimentos do candomblé e das danças folclóricas. Participou de vários festivais nacionais e internacionais. A versão de 52 minutos para televisão ganhou, entre outros, o Prêmio de Melhor Documentário no I Hollywood Brazilian Film Festival, 2009.


Esperando os homens (documentário) - Katy Lena Ndiaye (Senegal/ Mauritânia/ Bélgica, 2007, 56 min.) - Em Hassania, no abrigo de Oualata, uma cidade vermelha na fronteira distante do deserto de Sahara, três mulheres praticam pintura tradicional decorando as paredes da cidade. Em uma sociedade dominada pela tradição, pela religião e pelos homens, estas mulheres expressam-se livremente, discutindo o relacionamento entre homens e mulheres. Presente em mais de 20 festivais internacionais.


Dia 13/11 – sexta-feira
Ossudo (ficção / animação)Júlio Alves (Portugal, 2007, 14 min.) - Baseado no conto "Ossos", do famoso escritor moçambicano Mia Couto, este filme é uma história de amor entre duas pessoas desamparadas. Participou de mais de vinte festivais pelo mundo. Recebeu, entre outros, o Troféu de Melhor Filme Português e o Troféu Ouro Animação no 36º Festival Internacional do Algarve.

Kuxa Kanema – O nascimento do cinema (documentário)Margarida Cardoso (Bélgica / França / Portugal, 2003, 52min.) - O governo Moçambicano cria após a independência, em 1975, o Instituto Nacional de Cinema (INC), pois o presidente, Samora Machel, sabia do poder da imagem para a nação socialista. O filme acompanha a ruína do INC após um incêndio e a desilusão dos moçambicanos com o regime. Vencedor do Festival de Nova York de Filmes Africanos, entre outros.


Dia 14/11 – sábado
Maria sem graça (ficção)Leandro Godinho ( Brasil, 2007, 14min.) - Maria das Graças, menina negra de 12 anos, moradora da periferia de São Paulo, atormenta a vida de sua mãe para alcançar seu maior sonho: ser a apresentadora Xuxa Meneghel. Selecionado para o Festival Internacional de curta-metragens de São Paulo.


Cabo Verde, meu amor (ficção)Ana Lisboa (Portugal/ França/ Cabo Verde, 2007, 76 min.) - A condição feminina em Cabo Verde na atualidade é o foco principal deste primeiro longa metragem da cineasta Ana Lisboa. Falado em crioulo cabo-verdiano, foi totalmente rodado na Cidade da Praia com um vasto elenco de atores amadores. Primeiro filme realizado e produzido em Cabo Verde, por cabo-verdianos.


Dia 15/11 – domingo
Black Berlim (ficção)Sabrina Fidalgo (Alemanha / Brasil, 2009, 15 min.) - Nelson é um jovem baiano estudante de engenharia em Berlim. Na capital alemã, leva uma vida muito distante de suas verdadeiras raízes. Porém tudo muda quando ele frequentemente passa a encontrar Maria, uma imigrante ilegal do Senegal. Apesar de ignora-la ele começa a ter visões de personagens estereotipados, que o remetem a um passado que ele prefereria esquecer. Inédito.


O Herói (ficção)Zezé Gamboa (Angola / França / Portugal, 2004, 97 min.) - Um soldado mutilado na explosão de uma mina volta à Luanda após 20 anos de combates. No elenco o senegalês Makena Diop, as brasileiras Maria Ceiça e Neuza Borges. Premiado no Festival de Sundance (EUA) e no Festival de Cinema Africano de Milão, entre outros.

Troféu Raça Negra 2009 acontece no próximo domingo

O Troféu Raça Negra 2009, maior evento da comunidade negra no país, acontece no próximo domingo, dia 15 de novembro, às 20h, na Sala São Paulo. Ainda dá tempo de votar nas personalidades que você mais admira. É só visitar o site do Troféu.

http://www.trofeuracanegra.com.br/website/index.php

(Fonte: Site Revista Raça)

Criado pela ONG Afrobras – Sociedade Afro Brasileira de Desenvolvimento Sócio Cultural, ocorreu pela primeira vez por ocasião do marco das festividades dos 500 anos de Descobrimento do Brasil no ano 2000. Pela primeira vez neste País personalidades negras que contribuíram em diversas atividades, propiciando às futuras gerações o registro da determinação, trabalho perseverança e exemplo público na construção de uma sociedade melhor foram reconhecidas e homenageadas numa noite de gala no Teatro Municipal de São Paulo.

Quatro anos depois a segunda edição ocorreu em comemoração aos 450 anos de aniversário da cidade de São Paulo. O evento passou a ser realizado na Sala São Paulo, considerada a mais moderna sala de concertos da America Latina, um espaço sofisticado e elegante, no centro da cidade de São Paulo. Justamente neste momento a Afrobras considerou oportuno premiar e enaltecer as iniciativas, ações, trajetórias e realizações daqueles que haviam contribuído para valorização da raça anualmente.

Sendo assim em 2005 a entrega do troféu ocorreu no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra e mais uma vez contou com a presença de personalidades, autoridades, celebridades que neste momento já ansiavam pelas novas edições. E para saber quem seriam os indicados escolhidos através do voto popular. As cerimônias do Troféu Raça Negra são sempre marcadas pelo glamour, com a presença de pessoas bonitas e talentosas num clima de muita euforia.


No ano seguinte, em 2006, a novidade foi a implantação da categoria de Ação Social e mais uma vez o evento contou com o patrocínio de grandes empresas e instituições financeiras.
Em 2007 o já então considerado “Oscar” da comunidade negra dedicou uma homenagem ao mestre Cartola. A abertura da cerimônia de entrega das estatuetas teve início com o Coral Zumbi dos Palmares, que cantou o Hino Nacional. Esta foi uma edição comemorativa, pois o troféu chegava a sua quinta edição.

Já em 2008 o Troféu entrou oficialmente para o calendário da cidade de São Paulo e, diferentemente dos anos anteriores, a escolha dos indicados não foi através do voto popular. Em comemoração aos 120 anos de abolição da escravatura foram premiados personalidades e autoridades que se destacaram pela luta a favor da diversidade e da inclusão dos negros na sociedade.

Além disto, houve uma homenagem póstuma a Wilson Simonal cantor e apresentador da década de 60. A vitória do presidente Barack Obama também foi lembrada ao ser entregue uma placa ao Consulado dos Estados Unidos da América, representado na ocasião por Laura Gould. Para este ano muito se espera deste que é o maior evento da raça negra no Brasil e há uma certeza, será um momento ímpar, pois a homenagem ao rei do pop Michael Jackson promete ser diferente de tudo que já foi visto antes.

O Troféu raça Negra é um sucesso de público e de mídia, pois representa o anseio de diversas pessoas que têm um objetivo em comum: o congraçamento da raça humana. Neste evento são reunidas pessoas negras e não negras que acreditam que um país só pode de fato crescer se reconhecer as suas diferenças, mas acima de tudo trabalhar em busca da equidade entre as raças.