quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Ministro Joaquim Barbosa vai se afastar do STF

Ministro Joaquim Barbosa: dores nas coluna

O ministro Joaquim Barbosa vai deixar o Superior Tribunal Federal. Em tempos de intrigas, mentiras, infelidade partidária, superfaturamento nos gastos de dinheiro público entre os congressistas e até a autorização para o velho e bom lobby (bom para eles...), não poderíamos ter uma notícia pior. O comando do STF por Barbosa em tempos de eleição era primordial para a ética deste processo.

Quem deve estar soltando fogos, daqueles chineses, bem coloridos e espalhafatosos, é o ministro Gilmar Mendes, que em abril desse ano, quando o caso do mensalão pegava fogo (porque dessa brasa não sai nem faísca) bateu boca com Barbosa que o acusou de "estar destruindo a credibilidade brasileira". Joaquim Barbosa disse aos colegas que deixa a corte no início de 2010. O principal motivo, segundo o ministro, são as fortes dores na coluna, que já o afastaram por meses da função de julgar. Ele mal consegue ficar sentado e costuma acompanhar os julgamentos em pé, segundo informações publicadas na última quarta-feira, dia 21/10, na coluna da Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo. Tem gente que anda dizendo que sua ausência não fará nenhuma falta entre os partidos. Alegam que no STF há outros ministros tão competentes quanto ele para conduzirem as eleições. Mas quem conhece o trabalho - e o caráter - de Barbosa, sente desde já a falta que ele irá fazer. Algumas informações sobre o ministro já foram divulgadas, mas é válido refrescar a cabeça dos internautas:


- Joaquim Barbosa e o único ministro abertamente favorável à legalização do aborto- É contra o poder do Ministério Público de arquivar inquéritos administrativamente, ou de presidir inquéritos policiais.


- Defende que se transfira a competência para julgar processos sobre trabalho escravo para a Justiça Federal.


- Defende a tese de que despachar com advogados deva ser uma exceção, e nunca uma rotina, para os ministros do Supremo.


- Restringe ao máximo seu atendimento a advogados de partes, por entender que essa liberalidade do juiz não pode favorecer a desigualdade.


- Insurge-se contra a prestação preferencial de jurisdição às partes de maior poder aquisitivo ("furar fila").

Torcemos para que Barbosa se recupere, para que a própria democracia deste país se recupere. Ela também anda com fortes dores na coluna, mas a diferença entre a democracia e o ministro é que ela não consegue ficar de pé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário