segunda-feira, 20 de julho de 2009

O peso dos problemas que nós mesmos criamos


Quarenta anos após o homem pisar na lua, muita coisa aqui na terra não mudou absolutamente nada. Conflitos que ganhavam as páginas dos jornais do mundo inteiro em 1969, ainda são motivo de discussão, no sentido mais literal da palavra. E o pior é que são questões infindáveis, pior que briga de vizinho. Problemas que encheram a bagagem cultural (?!) do homem e que, está ficando cada vez mais difícil suportá-las. Veja algumas dessas "bagagens" indesejáveis:

· Ainda há países sob regime militar

· Ainda há golpes militares

· Ninguém conseguiu uma vacina que cure a gripe.

· E pior: surgiu uma outra gripe, e essa mata.

· Milhares de civis inocentes morrem todos os anos em guerras onde o poder político e
econômico são os únicos fatores que importam. A vida humana ainda é massa de manobra e a paz mundial é um sonho cada vez mais distante.

· Continuamos matando o planeta aos poucos. As previsões de estoque de água
não são nada animadoras, nossa atmosfera mais parece um queijo suíço e o lixo é um problema crônico, seja nas cidades de primeiro ou terceiro mundo.

· O continente africano continua sofrendo com massacres e guerras entre etnias e as
grandes potências permanecem iguais aos três macaquinhos: cegos, surdos e mudos. Inclusive a ONU.

· Israel e a Palestina se odeiam. Os Palestinos odeiam os americanos.

· A Ku Klux Klan ainda sobrevive.

· O Xenofobismo também sobrevive, e ganhou reforço extra com os ataques do 11 de setembro.

· Muitos estrangeiros ainda desconhecem por completo o Brasil: pensam que a capital ainda é o Rio de Janeiro e que todo o território nacional é coberto pela floresta Amazônica.

Apesar de tanta tecnologia, avanços científicos, passeios pelo espaço, o homem infelizmente ainda pode ser considerado um grande burro. E daqueles que empacam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário