terça-feira, 14 de julho de 2009

Membro da Ku Klux Klan preso em Israel


Micky Louis Mayon, 33, membro do grupo racista e antissemita de supremacia branca Ku Klux Klan, foi preso nesta terça-feira (14) em um apartamento em Tel Aviv, capital israelense. Mayon era um dos cem foragidos mais procurados pelos Estados Unidos.

Mayon era procurado desde 2007 pela justiça de Steelton, cidade de Pensilvânia, pela participação em ataques racistas a mão armada, além de incendiar carros de agentes federais e outros atos violentos. Ele foi acusado de posse e uso ilegal de armas. Em 2008 foi emitida uma ordem de prisão contra ele por fuga da justiça e o caso transmitido à Interpol.

O americano permanecerá detido em Israel até a extradição para os EUA, nos próximos dias. Segundo fontes judiciais, Mayon decidiu se esconder em Israel, apesar de sua ideologia antissemita, por acreditar que seria o último lugar no mundo em que seria procurado.

"Se escondeu aqui porque pensou que era o último lugar no qual o procurariam", disse Sabine Haddad, porta-voz do Ministério de Interior israelense. "Disse que não tinha nenhum contrato de trabalho em Israel, mas que conseguia sobreviver com o dinheiro que seus pais enviavam dos EUA e com o que ganhava lavando pratos." Segundo as fontes, Mayon conseguia escapar da polícia porque mudava frequentemente de apartamento. O agente federal americano Michael R. Regan afirmou que a prisão de Mayon "envia um sinal forte de que você pode correr, mas não pode se esconder".
(Fonte: Folha Online)

Um comentário:

  1. Nossa, isso ainda existe? Fico imaginando estes caras fora do corpo ou depois da morte... E o pior é que tem vingança... abs, irmão! Maurício

    ResponderExcluir