quinta-feira, 5 de março de 2009

Viveiro de cobras


A justiça é realmente cega. E a sociedade é cega surda e muda. Eleger um homem com o passado manchado (borrado ficaria melhor?) como Fernando Collor de Mello a presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado Federal, é um disparate, um tapa na cara de toda uma sociedade que um dia acreditou naquele festivo Congresso que o destituiu do cargo de Presidente da República. Um político que levou o Brasil a maior recessão da história do país, ao aumento do desemprego, quebradeira de empresas, confisco de cadernetas de poupança, entre outras lambanças, voltar a ter um cargo de importância? É vergonhoso... A tropa de choque de Renan Calheiros (este também integrante da República de Alagoas, assim como Collor), a mesma que protegeu o senador das pesadas acusações em 2007, ajudou-o nessa operação. Para refrescar a memória, Renan foi acusado de uso indevido de dinheiro público para pagamento de pensão alimentícia á Monica Veloso, seu caso extra-conjugal-coelhinha-da-playboy. O senador também foi acuasado de ter intercedido na grana do INSS e da Receita Federal em prol da empresa Schincariol, de ter sido sócio oculto de duas emissoras de rádio em Alagoas e também de participar de esquema de arrecadação em ministérios comandados pelo PMDB. Agora eu pergunto: cadê o movimento estudantil? Cadê o povo na rua? Cadê os Cara-Pintadas. Haaa é.. esqueci que desta vez não tem o seriado Anos Rebeldes sendo exibido para inspirá-los, não tem Linderberg Farias em cima de carro de som. E onde está aquele pessoal que votou o impeachment? Haaaa, ocupando cargos importantes. Jogar pesado agora desestrutura o relacionamento entre os partidos, faz perder apoios importantes para futuras eleições, negociações. É o velho corporativismo. Desculpem o desabafo deste blog, mas esse tipo de coisa faz com que a realidade venha á tona e mostre todas as cores de um país que realmente virou um grande viveiro de cobras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário